quarta-feira, 8 de julho de 2009

Atropelos


Olhos vermelhos de tanto não dormir
Dedos atentos para escutar
O corpo em transe em linhas roxas e cinzas
Uma vontade imensa de ficar...

Algo desconhecido para descobrir
Algum mistério de noite, dor, cor
Alegrias para o ruim apagar
Trejeitos próprios que fazem sorrir

Superdose de emoções injetadas no sangue
Explosões de confusões e arrebatamentos
Mudanças, furacões, arrastando tudo
Uma chuva torrencial de verão e veludo
Uma guinada bendita da ocasião
Um acalmar da vida em mil segundos
Para caminhar um pouco em outros passos
E encontrar respostas que não existiam.

Um comentário: