quinta-feira, 9 de julho de 2009

Ciranda


Tudo, tudo acontece
(mesmo quando não parece)
Da melhor maneira
(enquanto pensamos besteira)
Possível!
(Viva!)


O acorde ecoa pelo quarto frio
De meus ouvidos fascinados pela canção
Frio está porque lá fora cantam as nuvens
Na harpa angelical das gotas de chuva

Duas vidas me encontram em mim
Um sentimento novo acabou de me chegar
Como uma carta que me fez um grande bem
Nas confusões de tudo a paz se fez encontrar

Abraços não podem se subtrair
Eles crescem e aumentam e confortam tanto
Eles são maiores até, talvez, que os encontros úmidos
De lábios vermelhos, desejosos, túmidos.

E nossa brincadeira, já deve acabar?
Brincando de tentação, de não aguentar
De sentir, de cheirar, de tocar, de olhar
Com as mãos dadas na ciranda de roda
Onde cantar e sentir é tudo o que importa

Mas, o que pensar agora?
Se a simplicidade pelos dedos escapa
As complicações de sentimentos
Sondam as intenções de ser
Deixando-nos tontos sem entender

Oh, meu bem,
Será como for
Foi como era para ser
É, porque a vida é assim

Não se pode esconder
Que vamos enfrentar
Desrazões pelo caminho.

Mas tudo acontece
Você sabe como.

;*

4 comentários:

Fernandes disse...

Eu sei, eu sei ;*

post of disse...

oceudaquelaterra,
İ have translated one of your poetries into English. Excellent poetry indeed. Please inform me when you have new poems updated in your blog
arami.azeriblog.com
fa-ig.com
aramipost@gmail.com

The chord echoes the room cool
From my ears fascinated by the song
Because it is cold out there singing the clouds
In the angelic harp of raindrop

I have two lives in me
A new feeling I get just
As a letter that made me a great good
In the confusion of all the peace was found

Hugs can not subtract
They grow and increase both comforting and
They are higher up, perhaps, that the meetings wet
Of red lips, eager, túmidos.

And our game, I should end?
Temptation of playing, not to hold
To feel, smell, to touch, to look
With hands on the wheel ciranda
Where to sing and feel is all that matters

But what to think now?
If the simplicity on the fingers escapes
Complications of feelings
Plumb the intent of being
Leaving us without fools understand

Oh, well,
It will be like for
It was as was to be

It is because life is so

You can not hide
We face
Unreasonably on the road.

Rodrigo Nazca disse...

nunca pensei que teria um poema traduzido... ;P

Rodrigo Nazca disse...

nunca pensei que teria um poema traduzido... ;P