segunda-feira, 24 de agosto de 2009

azul negro


Estava limpando as minhas sugeiras
E nisso, perdi a chave.
Fiquei preso
do lado de fora
de mim.

(olho pela janela entreaberta
No espelho eu vejo restos
Não tenho forças para arrombar a porta
Tento desvendar a fechadura morta
Tento me despir do errado)

2 comentários:

Fernandes disse...

Eu arrombo a porta pra você...
(mas só se você quiser)

Rodrigo Nazca disse...

juntos