segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Tête-à-Tête

"Agora é tarde,
Inês é morta"

Conheci primeiro
por ti
Surpreendi-me e vi
N´um milagre, encontrei
Vou morrer a ouvir.

Surreal
Não há o que acreditar
Tudo o que você sabe
sobre amor
é mentira
E o platônico
mudou, hoje
nova forma de dor
incompreensão sem saliva
angústia sem dó

Canção toque longo
Letárgico Paladar
Não há
ímpar
um só
e as canções de ingênua
sonhos infantis
Gris
Repetindo os ossos
até quebrar
Não ter
é ser
esquecer - você

Não identifico
a imagem em movimento
Fostes longe
memorizar
Eu - apaguei
Acordei no terraço
Do último grito
d´a briga da janela
d´o frio de banho
d´a mesa tosca de carta
d´o 'boa noite' da morte
d´o silêncio do adeus
d´a mentira do céu
d´o despropósito do chão
d´o asco do instinto
d´a frustração do desejo
d´a desconsolação do infinito
d´o engano do conflito
d´a espera do muro
d´a dor do mundo...

"Depois vou descansar
Não vou te acompanhar
Como eu te valorizo
Eu te espero acordar"...

(dezenove do nove)
Recife

(Te valorizo - Tiê - uma música)

3 comentários:

Fernandes disse...

Eu não sei nada sobre amor?
...

Rodrigo Nazca disse...

nesse verso eu falava comigo...

Mas eu descobri que sei algumas coisas sim... intuições e poesias...

Rodrigo Nazca disse...

saudades...